7/02/2007

À Descoberta da Escalada

Penha Garcia#Sab#30/06/07#10:30

Uma vez, muito esporadicamente, lá calha ter o fim de semana livre... que bom, dormir até tarde, chegar a ficar cansado de não fazer nada...
Nops, nada disso, toca a mexer!

Após uma olhadela por um calendário de actividades outdoor descobri um programa que parecia ser tudo aquilo que não deve ser um fim de semana de ficar cansado de não fazer nada - Escola de Escalada! A organização era da associação Gardunha Viva (http://www.gardunhaviva.com/) e o local, Penha Garcia, era já conhecido de outras andanças, essas com os pés mais assentes na terra (Passeio Pedestre da Rota dos Fosseis, 2006) ... mas, enfim, aventura é aventura! Antes de confirmar presença, a garantia de que era mesmo para pessoal maçarico, digo, menos experiente. Assim sim, bora lá curtir, libertar adrenalina, endomorfina e afins, que ao contrario de muitas outras drogas, estas só fazem é bem!

Eram 08:30 de Sábado e já o despertador tocava, era tempo de tomar um duche, tomar um pequeno almoço reforçado e preparar uma bucha para o almoço.

Às 10:30 lá estávamos, eu e o Mota, que convenci à última da hora, em Penha Garcia, prontos para a aventura. O resto da malta atrasou-se um pouco, mas não tardaram em aparecer.

Um primeiro olhar para as rochas... o dia ia ser difícil pensamos. Eu, que sempre achei não ter grandes dotes de macaco, achei que estava f*** (um pouco lixado)! Triste ideia esta, pensei eu! Bem, após uma abordagem teórica breve, era tempo de passar à prática. Para acalmar um pouco o espírito, constatei que não era o único a fazer o baptismo, melhor assim :)

O pessoal da Gardunha Viva lá abriu as primeiras vias, que para mim, pareciam impossíveis de "trepar". Contudo estávamos ali para aprender, para praticar, para nos tentarmos superar, e fundamentalmente para nos divertirmos. Assim, num misto de algum medo e sede de aventura lá vesti o arnês, ou boldrié, como também lhe chamam os entendidos.

Primeira tentativa, subi até 3 ou 4 metros de uma rocha bem cheia de fracturas, depois não consegui mais, tinha gasto tanta força para chegar até alí que não conseguia nem acenar para a foto... desçam-me amigos , que a descer todos os santos ajudam!

Enquanto descansava os braços, fiquei a vêr as escaladas dos restantes companheiros. Os primeiros ficaram-se mais ou menos pelo mesmo sítio, depois começaram a chegar ao topo dos 8 ou 10 metros. Até tinha vertigens só de pensar em chegar lá acima e olhar o vale cá em baixo, com o rio ladeado de um sem número de moinhos de água, por onde passou muito do pão que alimentou as terras raianas dos tempos ainda não muito distantes.

Bem, o meu principal objectivo não era para observação da natureza, embora a paisagem fosse convidativa. Estava alí para escalar, e se outros conseguiram... pé ante pé, mão após mão, lá fui subindo, sem olhar muito para baixo, e quando dei por mim tinha superado a prova... tinha-me superado a mim mesmo! Já merecíamos o almoço! Assim foi, não sem primeiro dar um mergulho nas frescas águas da piscina fluvial.


Após o almoço foi sempre a "dar ferro" (como diria um amigo nosso), com vias maiores e mais difíceis, num constante exercício de superação, em que cada um se superava em cada nova escalada, vejam as imagens abaixo.

Para terminar, a Gardunha Viva ainda nos brindou com um passeio de kaiak na barragem. Foi a cereja em cima do bolo - não fosse este pessoal da terra da cereja!

Finalizo com uma mensagem de agradecimento à Gardunha Viva, e muito em especial aos elementos presentes que, com o seu empenho e a sua boa disposição, contribuíram para um dia espectacular.
Fiquem com as fotos, tiradas pelo meu amigo Mota.

Até à próxima!





2 comentários:

FMicaelo disse...

Amigo RM

Simplesmente espectacular! Que imagens soberbas! Tenho pena de não ter podido ir, fica para a próxima. Isto de trepar deve cansar como ó caraças! Ahahahaa
Quanto á malta da Gardunha Viva só tenho um conselho - façam mais, com este excelente nível, que eu tb quero ir!

rarn disse...

Parabéns por este novo espaço.

Só andar de Bike não dá.
Alguns passeios pedestres e desportos radicais como este na Gardunha Viva, fazem-nos pensar de como é bom existir :)

"Penso, logo exausto :)"

Um abraço ao BTTHAL.

rarn